Espaço Físio Pilates

Últimos Posts
  • ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PREVINE DOENÇAS FEMININAS

    Uma alimentação balanceada e rica em nutrientes não só ajuda a manter a forma e o organismo funcionando corretamente, mas também pode prevenir uma série de doenças, como a hipertensão, a diabetes e o colesterol alto. As propriedades dos alimentos também são poderosas no combate a alguns problemas típicos da saúde da mulher. Por isso fique atenta à dieta e melhore seu cardápio com essas dicas, que preparamos com a ajuda do portal Minha Vida:
    Menopausa
    Todas as mulheres passam por esta fase, entre os 45 e os 55 anos. Os sintomas mais frequentes são ganho de peso, insônia, irritabilidade e ondas de calor. Mas é possível amenizar essas características. Estudos americanos comprovam que a soja age diretamente na redução das ondas de calor e nas mudanças de humor, devido a uma substância chamada isoflavona, semelhante ao hormônio estrógeno. Cereais integrais, ovos e grãos aumentam a sensação de bem estar e as frutas cítricas têm vitamina C, fundamental para a síntese de hormônios no ovário.
    Câncer de mama
    Sabia que as mulheres que comem duas porções de vegetais por dia têm 45% menos chances de desenvolver a doença? Alimentos como brócolis, mostarda, couve e hortaliças verdes reduzem as chances de câncer de mama, pois são ricas em aminoácidos poderosos. Outros alimentos como a alface, a abóbora e o espinafre também ajudam na prevenção. A Organização Mundial de Saúde recomenda um dente de alho por dia no cardápio.
    Câncer de colo do útero
    A doença pode ser prevenida com bons hábitos de higiene íntima e saúde sexual, mas a alimentação também é importante. Consumir três ou mais porções de peixe por semana diminui em 33% os riscos de desenvolver a doença, devido ao poder antiinflamatório do ômega 3. Folhas escuras e frutas como a goiaba, a melancia e o tomatetambém ajudam.
    Infecção urinária
    É preciso colocar em prática aquele ideal de ingerir ao menos dois litros de água por dia. Além disso, a infecção urinária pode ser prevenida ou tratada com suco de cranberry – o mirtilo, chá de menta, linhaça e vitamina C(presente na laranja, por exemplo). Um copo de água morna com suco de limão é excelente.
    Osteoporose
    O período da menopausa aumenta a incidência de osteoporose, pela diminuição de hormônios importantes. O principal causador da doença é a deficiência de cálcio. Por isso, o ideal é ingerir três copos de leite e uma porção de queijo amarelo por dia. Sementes e verduras verde-escuras também são ricas em cálcio.
    Fonte: http://www.espacofisiopilates.com.br/alimentacao-saudavel-previne-doencas-femininas/

  • PILATES AJUDA A COMBATER OSTEOPOROSE

    Dores nas articulações e fraturas constantes. Esses são os sintomas da osteoporose, doença silenciosa caracterizada pela perda de massa óssea e diminuição da resistência mecânica dos ossos. Dados de 2013 revelam que os riscos de quebrar um osso, por exemplo, em virtude da baixa densidade óssea, são muito maiores entre as pessoas com mais de 50 anos.
    Nessa fase, a atividade física se torna fundamental para a prevenção de doenças desse tipo. E sabe qual é a modalidade mais indicada para ajudar a prevenir e estabilizar a osteoporose? O Pilates! Segundo a fisioterapeuta Aline Marbim, 30, o Pilates favorece e estimula a remodelagem óssea, através dos exercícios de tração e tensão. “Esse é o principal fator de recompensa para o idoso. Ao mesmo tempo, conseguimos a melhora no tônus, no equilíbrio, na flexibilidade, na postura e na consciência corporal. Isso reduz as chances de queda e os riscos de fratura”, explica Aline.
    Os principais fatores de risco da osteoporose são o sedentarismo, o tabagismo, a genética, a falta de cálcio e a deficiência hormonal. Por isso, a prática do Pilates é recomendada mesmo antes da terceira idade, agindo de forma mais efetiva na prevenção. Os exercícios equilibram os músculos e melhoram o posicionamento corporal, além de contribuir para a oxigenação e aliviar a ansiedade e o estresse.
    A professora Célia Moreira, de Niterói (RJ), tem 64 anos e um diagnóstico de osteoporose e osteopenia. Ela faz Pilates duas vezes por semana, há seis meses. “Meu ortopedista me recomendou o Pilates há anos, mas só agora resolvi fazer, por conta do tempo. Minha filha, que é atleta, me apresentou à Aline. Fiz uma aula experimental e nunca mais parei. Meu médico quer que eu aumente a frequência. Adoro!”, conta a aluna.
    Os pacientes com osteoporose podem sentir dificuldades na hora do exercício físico, como dores nos joelhos, nos punhos e na coluna, em casos de deformidades ósseas. Porém, a fisioterapeuta garante que não há qualquer contra indicação para o Pilates na terceira idade. “O profissional responsável faz uma análise inicial, avaliando as condições de saúde do paciente, além de força, flexibilidade, suas limitações e qual a real necessidade de praticar uma atividade física”, afirma.
    Os exercícios mais recomendados são aqueles de baixo impacto, para o fortalecimento dos membros inferiores e superiores e músculos estabilizadores da coluna. E os benefícios são visíveis. “Me sinto mais animada, mais bem disposta. Minhas costas não incomodam mais e estou mais ágil, rápida, com mais resistência. Minha postura também melhorou muito, o que foi importante porque tenho osteoporose na lombar. A professora enfatiza tanto a postura que você sai da aula levando isso para o dia a dia”, comenta a aluna Célia.
    Além da osteoporose, outros problemas típicos da terceira idade, como a artrose e a artrite reumatóide, também são tratados com Pilates. A regra é fazer exercícios, se alimentar bem e ter disposição. “Você sente certa limitação, mas a dica é não se deixar abater. O corpo é uma máquina que você precisa colocar sempre em manutenção. Ou seja, ir sempre ao médico, se alimentar bem e fazer o que te faz feliz”. Diz Célia.
    Fonte: http://www.espacofisiopilates.com.br/pilates-ajuda-a-combater-osteoporose/

  • Saiba a importância do alongamento para evitar lesões. Acesse nosso blog.
    http://www.espacofisiopilates.com.br/a-flexibilidade-e-tao-importante-para-atletas-como-para-pessoas-sedentarias/

  • CONHEÇA REMÉDIOS CASEIROS QUE SÃO APROVADOS EM PESQUISAS CIENTÍFICAS

    Entretanto, a própria ciência reconhece os benefícios de chás e fórmulas caseiras, quando usados de forma correta.
    A habilidade de preparar remédios com produtos naturais, na maioria das vezes, é atribuída às avós. Isso se deve provavelmente ao fato dessas receitas caseiras por muito tempo terem sido passadas de geração em geração, nutrindo o conhecimento da cultura popular.
    A prática, apesar de milenar, não foi deixada para trás. Para se ter uma ideia, o Ministério da Saúde está analisando 71 espécies vegetais, utilizadas pela população, para propor novas fórmulas medicinais.
    Só no Brasil, há aproximadamente 500 fitoterápicos autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. A fitoterapia é uma prática terapêutica que se baseia em ervas transformadas pela indústria e que inclusive já é adotada pelo Sistema Único de Saúde (SUS).
    Veja a seguir alguns dos tratamentos tradicionais aprovados por pesquisas acadêmicas:
    Cólica menstrual: Além da bolsa de água quente, que relaxa a musculatura, o reumatologista e clínico geral Aderson Moreira da Rocha recomenda um chá forte de capim-limão para amenizar estas dores. Ele explica que a planta, que também é conhecida como capim-santo, “é um leve analgésico e ainda reduz a contração do útero”.
    Primeiro faça o chá com xícara de café de folhas frescas ou secas picadas com água fervente. Abafe por cerca de dez minutos e tome. Depois, deite-se e mantenha a bolsa por 20 minutos sobre a região pélvica, tomando o cuidado de manter uma temperatura que não irrite a pele.
    Gripe forte: O famoso chá de alho se torna mais potente com gengibre fresco, canela e mel. Há muito tempo o alho é reconhecido como anti-inflamatório e a canela como bactericida, assim como o mel, que teve seus benefícios estudados pelo Centro Médico Acadêmico de Amsterdã, na Holanda. Já os efeitos analgésicos e anti-inflamatórios do gengibre forma comprovados pelo Instituto Tecnológico TzuHui, em Taiwan, na China.
    Para usar esta mistura no combate a gripe basta ferver por cinco minutos um dente de alho amassado, um pedaço de gengibre do tamanho de um dedo polegar, sem casca, cortado em rodelas, e um pedaço de casca de canela. Coe a bebida e na hora de tomar adicione uma colher de sobremesa de mel de eucalipto.
    Insônia: O leite morno ajuda a ter um sono mais tranquilo e combinado com noz-moscada o efeito pode ser ainda melhor. “Esse condimento é um sedativo leve; ajuda a conciliar o sono”, afirma Aderson Moreira. A receita é simples: basta misturar uma colher de café rasa de noz-moscada em pó em uma xícara de leite morno. Mas, a recomendação é que se beba o leite logo em seguida ao preparo e que seja meia hora antes de deitar.
    Dores: As dores podem ser causadas por diversos motivos, por isso é preciso tomar cuidado ao optar por um remédio. Uma forma de amenizá-las é massagear o local. Utilize uma mistura caseira feita com duas gotas de óleo essencial de cravo, duas gotas de óleo essencial de canela, duas gotas de cânfora e meia xícara de óleo de gergelim. Depois, aplique uma compressa de calor seco ou úmido no local.
    O cravo e a canela têm poder anestésico, a cânfora tem efeitos anti-inflamatórios que foram estudados por um laboratório conduzido no Departamento de Farmacologia da Faculdade de Medicina da Cheju National University, na Coreia do Sul.
    Fonte: http://www.espacofisiopilates.com.br/conheca-remedios-caseiros-que-sao-aprovados-em-pesquisas-cientificas/

  • RUPTURA DE ADUTOR DE COXA

    Saiba mais sobre o problema que Ronaldinho está enfrentando fora de campo

    Essa lesão pode ser evitada com alongamento e fisioterapia.
    Quem corre sabe da contribuição que os músculos trazem ao corpo inteiro durante a prática do esporte. Além do trabalho de sustentação do joelho, alguns músculos das pernas, mais especificamente das coxas, também agregam a função de estabilizadores do quadril.
    Os músculos adutores, localizados na parte interna da coxa, têm a função de fazer a adução do quadril, ou seja, o movimento de fechamento das pernas. “Esses músculos com os ísquios tibiais são os principais responsáveis pelo movimento da pélvis e têm a função de estabilização do quadril durante a corrida”, explicou o médico de esporte, Glauber Alvarenga, especialista em fisioterapia neuro-músculo esquelética pela Irmandade de Misericórdia da Santa Casa de São Paulo.
    Outra mecânica que os músculos são atuantes, nesse caso em menor intensidade, é o da amplitude da passada. Para o treinador e sócio do Personal Life, Ricardo Hirsch, a execução do movimento deve ser bem apurada para que a sustentação do joelho se faça por meio de força e resistência. “Apesar de não ser o músculo principal da amplitude da passada, os adutores auxiliam no trabalho para o movimento fluir mais naturalmente”, disse Hirsch.
    A intensidade da força, a velocidade e o posicionamento do corpo para alcançar o movimento preciso durante a corrida podem prejudicar a musculatura durante o percurso. O estiramento dos adutores, que reflete em fisgadas agudas na virilha, pode ser causado pelo falta de alongamento da região. “A lesão pode acontecer quando o atleta não possui muito alongamento muscular ou também quando ele não está muito aquecido antes do treinamento ou da prova”, explicou Glauber.
    A maneira como caminhamos ou corremos também pode estimular para o estiramento muscular dos adutores. A fisioterapeuta Ana Luiza Uchoas Arantes, formada pela Puc-Campinas e especialista em UTI, Osteopatia e RPG (método Sourchard) afirma que o mal funcionamento biomecânico da estrutura pélvica, mecânica correta de caminhar e dos movimentos esportivos, pode ser o causador de lesões. “Um exemplo disso é quando um atleta possui um lado do adutor mais retraído do que o outro. Isso pode causar o estiramento ou mesmo o encurtamento do músculo”, garantiu.
    Segundo o treinador Emerson Gomes, da MPR Assessoria Esportiva, cerca de 10% a 20% dos esportistas brasileiros são acometidos com o estiramento nos adutores, as famosas fisgadas na virilha.
    Tipos de lesões
    As lesões, que também pode ocorrer com a abertura extrema da perna ou em momentos de alta velocidade e movimento brusco durante a largada de uma corrida são classificadas em três graus. “Na lesão de 1º grau acontece somente o estiramento do músculo. Já na de 2º, parte do músculo sofre uma ruptura e, na de 3º grau, os adutores rompem-se completamente”, explicou o especialista Glauber.
    Dependendo do grau da lesão, o corredor pode ficar até seis semanas sem fazer nenhuma atividade física. “Em estiramentos de 2º grau, o atleta pode ficar durante semanas afastado dos treinos. Enquanto que uma lesão mais profunda, de 3º grau, o atleta pode até ter de passar por uma intervenção cirúrgica”, alertou Alvarenga.
    Prevenção e tratamento
    Para evitar dores agudas e problemas crônicos, como a inflamação do púbis é necessário adicionar cuidados extras à rotina de treinamento. O especialista Emerson recomenda: “fortalecimento muscular regular, dando prioridade para os exercícios de propriocepção, prática terapêutica, além dos tradicionais de força e resistência”. Além disso, é fundamental fazer um bom aquecimento antes de começar a corrida, pois, assim, você prepara o corpo para receber o impacto das passadas no asfalto.
    Em paralelo à execução de exercícios físicos, a fisioterapeuta Ana Luiza aconselha o uso de técnicas como Osteopatia, manipulações osteomusculares e, posteriormente, RPG: “É a partir da correção das simetrias da cintura pélvica que o estiramento deixa de acontecer.
    O trabalho multidisciplinar feito em conjunto com um fisioterapeuta e o treinador do atleta também ajuda a prevenir esse tipo de lesão”.
    O estiramento pode ser tratado ainda com técnicas especificas de fisioterapia, como analgesias, eletroterapia, ou ainda com gelo no local e repouso.
    Fonte: http://www.espacofisiopilates.com.br/ruptura-adutor-coxa/

  • CUIDADOS DIÁRIOS DAS MAMÃES COM OS BEBÊS

    Problemas como a tendinite são comuns pós-parto, mas há como driblar essas lesões rotineiras com alongamento e postura correta
    Ser mãe é a maior dádiva do mundo, sem dúvida. Mas as tarefas do dia a dia como trocar as fraldas, amamentar, dar banho e ninar no colo podem acarretar lesões nas articulações ou musculares levando a mulher no pós-parto a ter dores em alguns casos até a ter perda parcial de alguns movimentos nos braços e pulsos. Sem contar as dores na coluna e joelhos.
    “Relaxamento muscular, prevenção de dores e tensões, sem contar que dá mais flexibilidade, agilidade e elasticidade ao corpo. Essas são algumas vantagens de praticar alongamento todos os dias ou sistematicamente, além de proporcionar maior consciência corporal e preparar o corpo para atividades físicas”, explica a fisioterapeuta Vanessa Marques.
    De acordo com a especialista, os movimentos podem ser feitos diariamente, por mais de uma vez durante o dia. Ideal antes e depois de atividade física, da amamentação ou também no ambiente de trabalho para evitar as lesões por esforço repetitivo (LER).
    Vanessa ressalta a importância de checar sempre se a postura está correta e, independente da parte do corpo que irá alongar, a sugestão é que se mantenha por pelo menos 30 segundos, para que se obtenha o resultado e efeito necessário. Os movimentos devem ser sempre lentos e suaves.
    Segue o passo a passo com dicas da fisioterapeuta:
    Região dos ombros e do pescoço: A) – Girar lentamente para trás o ombro, associando com a respiração. Puxar o ar lentamente na subida do ombro e soltando o ar na descida. B)- Tracionar levemente o pescoço para a lateral direita e depois para esquerda, sentindo o alongamento do músculo.
    Região das mãos e dos punhos: A) Girar as mãos lentamente para o lado direito e depois para o lado esquerdo com os punhos fechados. As duas mãos simultaneamente. B)- Fazer movimentos de abrir e fechar as mãos, que ajudam para diminuir o inchaço e também a rigidez.
    Região lombar: Ideal fazer assim que se levantar pela manhã, antes ou depois da atividade física ou quando sentir esta região desconfortável. A)- Deitar de barriga para cima e puxar as duas pernas juntas flexionadas em direção ao tronco. B)-Manter por 30 segundos, descansar por um minuto. Repetir duas a três vezes o movimento.
    Fonte: http://www.espacofisiopilates.com.br/cuidados-diarios-mamaes-bebes/

  • Conheça 11 benefícios do riso para sua saúde. Acesse nosso blog e SORRIA mais :-)!
    http://www.espacofisiopilates.com.br/11-beneficios-que-o-riso-traz-para-a-sua-saude/

  • Aprenda vários exercícios para fortalecer a região do quadril e evitar lesões. Acesse nosso blog e compartilhe!
    http://www.espacofisiopilates.com.br/aprenda-exercicios-para-fortalecer-a-regiao-do-quadril-e-evitar-lesoes/

  • O QUE É JOANETE?

    Quem não gosta de andar com as roupas e sapatos da moda, sentindo-se arrumado e elegante? Quase todos, não é mesmo? Principalmente nós, mulheres. Gostamos de sapatos. E os sapatos que nos deixam mais chiques geralmente tem salto. Salto alto. Às vezes salto muito alto. E bico fino. Aí complica um pouco, pois não é nada fácil andar com salto alto e bico fino. Nossos pés definitivamente não foram feitos para isso. Nem para usar sapatos apertados. Por isso muitas pessoas, especialmente mulheres com predisposição genética, desenvolvem o joanete.
    O hálux, popularmente conhecido como “dedão” do pé “entorta” em direção aos outros dedos, deixando uma saliência dura, de consistência óssea, que é conhecida como joanete. Incomoda e pode inflamar e doer muito.
    Por isso, se você tem pessoas na família que já tiveram joanete, usa frequentemente sapatos apertados, de bico fino ou com saltos altos, olhe agora para o seu pé. Observe bem se já não está ocorrendo o desvio lateral do dedão. Em muitos casos, começa devagarinho, sem sintomas de dor. Quando começa a incomodar e doer, o desvio já ocorreu.
    O tratamento consiste em usar sapatos folgados, que não apertem, e saltos baixos. Em casa ande descalço e sempre que possível mexa bem os dedos dos pés. Estique e contraia, como quem vai pegar um objeto com os dedos. Eles também precisam de exercícios e alongamentos. Existe cirurgia para o joanete, indicada para quem tem muita dor e desconforto. Algumas pessoas chegam até a fazer um buraco na lateral dos sapatos para diminuir o atrito e a dor.
    Pés no chão ou calçados adequadamente como se estivéssemos pisando em nuvens. Lembre-se que há muitas outras formas de se sentir elegante, chique e na moda com conforto dos pés à cabeça!

    Fonte: http://www.espacofisiopilates.com.br/o-que-e-o-joanete/

  • MULHERES SÃO MAIS SUSCEPTÍVEIS A TER CONDROMALÁCIA PATELAR
    Por ser a maior e mais complexa articulação do corpo humano e por suportar quase todo o peso do corpo, é muito comum que o joelho sofra lesões ao longo da vida. Entre elas está a Condromalácia Patelar, doença que causa degeneração da superfície da cartilagem, localizada na parte da patela. Mais comum entre as mulheres, a patologia é causada por uma instabilidade ou formato da rótula e o desvio de eixo dos membros inferiores, joelhos muito afastados ou muito juntos.
    Conhecida popularmente como “joelho de corredor”, por acometer também praticantes de atividade física, a doença provoca dor profunda e localizada em situações de rotina como subir ou descer escadas, durante atividades prolongadas como manter-se em pé ou sentada por muito tempo, realizar movimentos de flexão ou extensão das pernas, uso de salto alto, na hora de levantar do sofá ou da cama, ardência ou dor no joelho ao ficar com a perna dobrada, além de inchaço na região, sensação de crepitação (ruído produzido pela compressão de tecidos), sensação de ter “areia” dentro do joelho ou estalos.
    Segundo o ortopedista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Dr. Agnaldo de Oliveira Júnior, as lesões nos joelhos são difíceis de serem evitadas, porém alguns cuidados podem ser tomados para minimizar os problemas. “Mais do que os traumas, as patologias degenerativas são extremamente delicadas, pois são decorrentes do desgaste do membro. Atuar de forma preventiva é a melhor opção para suavizar o problema. Dores e barulhos estranhos nas articulações devem ser avaliados por um profissional, para que o incomodo não evolua e se torne um problema grave”, esclarece o médico.
    Durante o tratamento, o paciente é orientado a tomar analgésicos para diminuir a dor, anti-inflamatórios e fisioterapia para melhorar o posicionamento da patela. Em casos mais graves é indicado evitar saltos altos, manter a boa postura, usar sapatos que apoiem bem o pé no chão e evitar subir e descer rampas ou escadas. Emagrecer é uma das principais formas para diminuir o problema, a perda de peso diminui a pressão sobre os joelhos.
    Fonte: http://www.espacofisiopilates.com.br/mulheres-sao-mais-susceptiveis-a-ter-condromalacea-patelar/